Seminário marca início das ações de mobilização do Movimento Obrigado Paulo Freire

O I Seminário Obrigado Paulo Freire, que aconteceu nessa terça-feira (19.09.2017), na Faculdade 2 de Julho, em Salvador, de 9h às 17h, foi a primeira ação marcante de mobilização do Movimento Obrigado Paulo Freire e teve ampla participação de educadores, especialistas, pesquisadores e autoridades da área de educação. O evento contou com apoio financeiro da Brazil Foundation e apoio logístico da Fundação 2 de Julho.

O seminário, realizado pelo Instituto Chapada de Educação e Pesquisa (ICEP) e pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), marcou a celebração pelos 96 anos do Patrono da Educação Brasileira. A diretora presidente do ICEP, Cybele Amado, fez a abertura do evento e conduziu os debates que ocorreram, pela manhã, no auditório da Fundação 2 de julho.

O diretor geral da Fundação 2 de Julho, Marcos Baruch Portela, e o diretor pedagógico do Colégio 2 de Julho, professor Carlos Amaral, participaram da abertura do evento. Cybele Amado leu trechos da biografia e de alguns livros do notável educador, para em seguida agradecer aos presentes e convidar o professor doutor, da UFRB, Cláudio Orlando – que a exemplo de Cybele é um dos líderes do Movimento Obrigado Paulo Freire -, para proferir algumas palavras.

Cláudio Orlando lembrou o aniversário de Paulo Freire e destacou que o educador já havia proferido uma palestra no auditório da Fundação 2 de Julho, além de enumerar os objetivos do Movimento Obrigado Paulo Freire. “Com esse seminário marcamos o início de um processo de reflexão sobre a contemporaneidade da obra de Freire e de defesa do seu legado”, afirma Cláudio Orlando.

Uma das metas do Movimento é reunir, em uma plataforma colaborativa na internet, estudos, depoimentos de pessoas sobre a influência de Freire na vida e no trabalho delas, registros de eventos, relatos autobiográficos e produções culturais ou acadêmicas sobre a obra do educador.

Um dos momentos marcantes do seminário foi o bate papo entre a diretora pedagógica do ICEP, Elisabete Monteiro, e o economista Ladislau Dowbor, inspirado no livro de Paulo Freire: “À sombra desta mangueira”. Professor da PUC-SP, doutor em ciências econômicas, Ladislau Dowbor foi um dos seguidores mais próximos do educador, tendo sido genro de Freire. No final da manhã, Dowbor fez o lançamento do seu mais novo livro: “A era do capital improdutivo”.

No final da Roda de Conversa “Por uma pedagogia da esperança”, uma frase célebre de Paulo Freire foi lembrada: “Educação não transforma o mundo. Educação muda as pessoas. Pessoas transformam o mundo”. O debate, mediado por Cybele Amado e Claudio Orlando, teve a participação do superintendente de Políticas para a Educação Básica (da Secretaria de Educação do Estado da Bahia), Ney Campelo, da Coordenação de Currículo da Secretaria Municipal de Educação, Gilmária Cunha, e do professor Pós-Dr. da Faculdade de Educação da Bahia, Roberto Sidnei Alves Macedo.


Oficinas e exposição artística

A programação do Seminário contemplou, ainda, a realização de quatro oficinas: “Freire em nós: o Axé e a Iilê Ori” – Oficina realizada por educadores freirianos; “Por amor ao teu nome” – realizada pela escritora, roteirista e dramaturga, Ana Clara Santiago, prima de Paulo Freire; “Ler o meu, o seu, o nosso mundo: um ato freiriano de amor à vida” – Oficina realizada pela doutora em Educação, Isabel Dantas de Menezes.

A exposição artística Sala do Sensível Obrigado Paulo Freire teve abertura ontem à tarde, na Fundação 2 de Julho, espaço onde ficará aberta até dia 30 deste mês. Depois, segue pauta itinerante por museus e outros espaços culturais. “A Sala do Sensível é um espaço que apresenta uma linha do tempo, dividida em janelas, com dados da história de Paulo Freire, trechos poéticos de seus textos e os títulos das obras por ele escritas (Janelas para Freire)”, explica Cybele Amado.

O visitante se depara, ainda, com uma sensibilização auditiva, com a voz de Freire contando sua história, intercalada por vozes de pessoas lendo textos escritos por ele. Há ainda uma instalação artística, no formato de uma mangueira, montada com cadeiras escolares, além de projeção de fotografias de Freire. Um dos diferenciais da Sala do Sensível é um espaço para coleta de narrativas dos visitantes.

Núbia Cristina
Analista de Comunicação – ICEP
(71) 3052-0901/ 99197-7494
Email: nubiacristina@institutochapada.org.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *